Automedicação em Cães

Pessoal, hoje vamos falar sobre um assunto muito importante e bem delicado, a automedicação em animais.
Algo tão comum em humanos e animais, e não é  correto fazer, ainda mais em nossos animais.

Claro que quando sentimos dor de cabeça, dor de estômago , esses sintomas do dia a dia, nós vamos na farmácia , compramos e tomamos.... não vamos até um médico, fazer uma consulta para conseguir a receita, assim só para algo mais sério.

E quando o cão está passando mal, no desespero optamos pela automedicação, ou seja, medicação sem prescrição de um profissional capacitado. Para piorar essa situação, na maioria das vezes, recorrem a medicamentos encontrados em casa, muitas vezes medicamentos de uso humano.

O uso indevido de medicamentos pode levar o animal a um quadro de intoxicação, mascarar os sinais clínicos de uma enfermidade mais grave ou ainda piorar o estado clínico do animal, podendo em determinados casos levá-lo a morte.

Temos que lembrar que os animais não falam, muitas vezes estão com dor, e não sabemos onde, o que dói, como dói... ai é que complica, e é por isso que não devemos automedicar.

As reações dos animais são diferentes das nossas, eles podem muito facilmente ter uma alergia, intoxicação e reações graves que podem ser imediatas ou não...

Eu não sou veterinária, e quando alguém me pede um auxilio, se eu souber do que se trata eu ajudo, indico o que eu usaria com meus cães,pq eu tenho experiência, mas eu sempre falo para consultar um veterinário antes, a não ser que seja algo simples de se resolver.

O que não se pode fazer é usar o mesmo medicamento que seu amigo usa no seu cão, mesmo que seja o mesmo problema, pq muitas vezes pode não ser o mesmo problema e a posologia pode ser outra, nem sempre um cão vai ter a mesma resposta de outro.

Parece que a adaptação do cão à vida doméstica aconteceu também no campo terapêutico e a automedicação tem se tornado cada vez mais comum.

Além da intoxicação por conta do medicamento não ser adequado para cães, muitas vezes o remédio é administrado em doses inadequadas. Outras vezes a intoxicação ocorre com medicamentos tópicos, pois o animal pode lamber pomadas e outras soluções.

É importante que os proprietários se conscientizem dos perigos que a automedicação traz tanto para seus animais de estimação quanto para si mesmos. É imprescindível consultar um médico veterinário.

Segue abaixo uma lista que achei em um site dos medicamentos proibidos e/ou restrito para cães:

CÃES - MEDICAMENTOS PROIBIDOS:
Diclofenaco de potássio (Cataflan®)
Diclofenaco sódico (Voltaren®) e a grande maioria dos anti-inflamatórios de uso humano.
Piridium®.

CÃES - MEDICAMENTOS DE USO RESTRITO:
Ivermectina (Ivermec®, Vermectil®, Ivomec® entre outros). A ivermectina tem amplo uso em cães, mas os raças Collie, Border Collie, Pastor de Shetland, Sheepdog, Bearded Collie, Pastor Australiano e todos os seus cruzamentos são intolerantes ao seu princípio, apresentando sérias alterações neurológicas.

CÃES - MEDICAMENTOS DE USO CONTROVERSO:
Acetaminofem/Paracetamol (Tylenol®)
5- Fluororacil (Efurix®). De uso tópico se ingerido causa grave intoxicação.
Risperidona (Risperidon®).

CÃES - MEDICAMENTOS QUE REQUEREM CUIDADO NA DOSE:
Metronidazol (Flagyl®). Dose alta pode causar sintomas neurológicos.
Sulfa-Trimetroprina (Bactrim®). Quando em dose alta podem causar displasia de medula óssea levando a anemia e Hepatopatia em Labradores
Sulfassalazina (Azulfin®). Pode causar olho seco (KCS) nos cães.
Aspirina. A dose em cães deve ser muito menor que a dose em humanos.

0 Comentários:

Postar um comentário

Mon Amour Megan