A Pelagem - Sua organização e importância


Agrupados, os subpêlos são todos originários de um mesmo núcleo, que está conectado a uma glândula sudorípara e a uma ou duas sebáceas. Cada grupo é formado por um pêlo, ilhado por um número variável (de 3 a 15) de subpêlos lanosos, suaves e mais finos.

O segmento dos pêlos, acima da superfície da pele, chama-se lança. A raiz fica situada num folículo piloso. Uma papila vascular, coberta pelo bulbo do pêlo, alcança o fundo do folículo. Os folículos pilosos estendem-se, obliquamente, dentro do cório a uma profundidade variada. Os pequenos músculos eretores dos pêlos são células musculares, lisas, localizadas no ângulo obtuso que o pêlo forma com a pele, da maioria dos folículos. Estimulados por terminais nervosos, a contração desses músculos provoca o eriçamento do pêlo e comprime as glândulas sebáceas, abrindo-as para lubrificar o folículo.

Os pêlos tácteis são verdadeiros órgãos e tão longos que alcançam o músculo subjacente.

As paredes dos tácteis do queixo, das faces, das vibrissas dos lábios, do ouvido externo, dos supercílios e dos cílios das pálpebras, são bastante espessas, contendo, entre a superfície externa e a interna, alguns vasos capilares e neuroterminais.

A função desses pêlos táteis, que alguns expositores costumam aparar para exibir seu exemplar bem barbeado e "limpo", por influência da cinofilia americana, na realidade, são verdadeiros órgãos, suas ferramentas de trabalho. Por exemplo: os do queixo, permitem que o cão possa seguir uma trilha de quase um quilômetro sem ralar seu queixo no chão. Os das faces, em conjunto com os dos supercílios, bigodes e os do queixo, permitem ao cão saber se, ao enfiar sua cabeça num buraco, poderá retirá-la depois. Aparar os bigodes é amputá-los, é privar seu cão dessas ferramentas naturais de trabalho.

O SUBPÊLO - Um beduino jamais conseguirá atravessar o deserto de short e sem camisa.

Sem aquelas mantas protetoras, feitas de lã, com certeza não conseguiriam prosseguir por mais de três quilômetros.

A grande maioria dos padrões de raça comenta que o subpêlo, formando um colchão de ar, entre a pelagem externa e a pele, protege o animal das intempéries, inclusive do calor.

Existem raças que possuem pelagem dupla e outras com pelagem simples e existem até raças completamente peladas.

Alguns criadores e, até mesmo, alguns veterinários querem sustentar que, em razão da mudança de clima, os cães se adaptam, perdendo o subpêlo.

A raça importada, mais antiga e com maior número de exemplares, em 60 anos, o Pastor Alemão, ainda não se adaptou.

Na última revisão do padrão da raça Rottweiler, a falta do subpêlo deixou de ser desqualificante, mas permanece como uma falta gravíssima. Na Alemanha, país de clima frio, existem muitos exemplares sem subpêlo e são altamente penalizados.

Entre as raças cuja pelagem é simples estão o Bóxer e o Dogue Alemão.

Essas raças, que ostentam, quase sempre, uma pelagem rasa de pelos duros ou sedosa de pelos longos, pode-se dizer, que já estão adaptadas à falta do subpêlo, pois, para isto, foram genéticamente planejadas. Apesar disto, durante o rigoroso inverno europeu, surgem alguns subpêlos que jamais podem apresentar-se maiores que o comprimento do pêlo.

Fazer cinofilia é estudar as razões de cada exigência dos padrões de raça, compreendê-las e preservá-las.

Fazer cinofilia é procurar não mutilar os cães só para embelezá-los. Beleza é mais do que um assunto indiscutível, é uma questão cultural, social e geográfica. Uma obra de arte africana traz uma beleza inteiramente diversa da duma obra marajoara, que por sua vez é completamente diferente da beleza duma obra renascentista, surrealista, abstracionista ou impressionista.

A preocupação fútil com a beleza é característica duma sociedade culturalmente decadente.

Bruno Tausz
Etólogo

Chega de Bafo!

Certos cheiros fortes que nossos amigos às vezes exalam têm sido motivo de constante preocupação de alguns proprietàrios de cães. Sua intensidade pode ser tanta que, além de nos lembrar que existe um cão no lar, leva à conclusão de que está na hora de tomar alguma providência urgente, porque chegou-se a um ponto em que "ninguém agüenta mais".

Analisando o problema de uma maneira geral, pode-se afirmar que o cheiro provém da boca, conduto auditivo, olhos, nariz, pele, pêlo, ânus ou dos genitais.

Problemas alimentares
As principais causas do mau hálito canino estão inicialmente ligadas a fatores alimentares como: · Permanência de restos de comida na cavidade bucal, que se prendem aos dentes e à língua e são degradados por bactérias da boca, produzindo um forte odor.

A prevenção é feita com escovação bucal, utilizando escovas apropriadas para cães;
· Dietas com altos teores protéicos, que fermentam com facilidade na boca e estômago, liberando gases de amônia, indol, escatol e derivados de enxofre que serão expelidos por eructações (arrotos) com cheiro desagradável.

Para poupar o animal desse vexame, siga rigorosamente as recomendações de dosagens de consumo dos fabricantes (jamais forneça alimentos além da quantidade indicada) e fracione essa medida em várias e pequenas porções para facilitar a digestão e diminuir o volume de gás formado neste processo. Para cães adultos, dê a maior quantidade à noite;

Corpos estranhos fixados na cavidade bucal, faringe e cavidade nasal, que podem promover mau hálito pela degradação do corpo estranho ou por contaminação e infecção dos tecidos afetados por ele. Evite ossos frágeis (frango, costelas, espinhas de peixe), objetos passíveis de má trituração (madeira, vidro, grandes fibras).

A localização e retirada de qualquer corpo estranho deverá ser feita com cuidado extremo para evitar maiores lesões nos tecidos, ou até que o animal acabe por engolir totalmente o objeto, o que só poderia ser resolvido por meio de cirurgia. Após a remoção é necessário realizar uma limpeza da região afetada e, em alguns casos, iniciar uma terapia com antibióticos.

Hálito bizarro


Outro motivo do odor forte:
. Coprofagia. Este termo médico denomina o mau hábito de alguns cães que ingerem fezes. Pode ocorrer por diversas razões, tais como carência de algum nutriente essencial na dieta, excesso de aromatizantes e palatabilizantes na matéria fecal (as fezes ficam com "gosto de ração"), doença orgânica (pancreatite, por exemplo) ou problemas relacionados com o confinamento (cães de apartamento presos em pequenas áreas, sozinhos diariamente por longos períodos, se distraem comendo "de tudo").

Nestes casos, troque a ração o mais rápido possível! Se puder, mude o cão de instalação, provendo-o de brinquedos como bolas e ossos. Na medida do possível, não deixe fezes ao alcance do cão. Em caso de insucesso das medidas acima, visite seu veterinário para exames clínicos e bioquímicos.

O mau hálito canino também pode estar relacionado com a existência de problemas graves de saúde. Eis alguns deles:
Megaesôfago, uma doença genética que determina aumento patológico do diâmetro do esófago, provocando parada do alimento, formação de gases e eliminação da comida por vômito poucos momentos após sua ingestão.

Animais com esse defeito anatômico devem ser alimentados em comedouros elevados;
· Doenças respiratórias, que determinam formação de catarro e necrose de tecidos respiratórios e anexos, provocando mau cheiro.

São produzidos por doenças virais bacterianas e fúngicas, muitas delas prevenidas por vacinações (contra cinomose, tosse dos canis, entre outras);
· Enfermidades sistêmicas como uremias (por doença renal) doenças hepáticas ou diabetes poderão também causar odor característico da doença, que desaparece após tratamento; · Tumores da cavidade bucal (gengiva, lábios) também determinam hálito forte e necessitam de tratamento médico especializado.

Fonte:
Dr.Regis Christiano Ribeiro -Nutrição Veterinária da Universidade Paulista

Cães Fumantes Passivos


Cães e gatos também são fumantes passivos e correm riscos humanos!

Que o cigarro faz mal à saúde dos seres humanos, todos já sabem.
Mas estudos que começaram há cerca de 30 anos e concluídos recentemente apontam que os animais expostos à fumaça do cigarro também correm sérios riscos de desenvolver doenças graves e até morrer por conta do tabaco.


A Organização Mundial da Saúde encontrou cerca de quatro mil substâncias tóxicas no cigarro, dentre elas, monóxido de carbono, benzeno, cromo, níquel e arsênio são as que mais preocupam.

O que agrava ainda mais a situação de animais fumantes passivos é que suas vias respiratórias são mais sensíveis do que as de seus donos. Ou seja, a exposição do cão, gato ou pássaro à fumaça do cigarro é ainda maior, assim como sua inalação.


O risco aumenta ainda mais em cães com focinho longo, como das raças doberman, Collie e Afghan Hound, que podem desenvolver câncer nasal mais facilmente.

Já animais com focinho curto tem mais chance de desenvolver câncer de pulmão.

Os cientistas descobriram que há uma ligação entre os tipos de câncer e as características físicas dos bichinhos.
Nos cães de focinho curto, por exemplo, a fumaça passa rapidamente pela via respiratória, fazendo com que as toxinas acabem se instalando no pulmão.
Já entre os de focinho longo, a fumaça se aloja nas vias respiratórias do bichinho.
Como minimizar os riscos: O mais indicado é parar de fumar.

Mas se isso não for possível, os cientistas recomendam que o dono do animal fume fora de casa, ou criar áreas exclusivas dentro da casa para a prática pouco saudável, sem deixar, é claro, que os animais tenham contato com o ambiente.

As substância tóxicas também se aloja no pêlo dos animais, por isso, escovadas e tosa ajudam na higienização do cachorro e, principalmente, dos gatos, que tem costume de se lamber. Purificadores de ar e suplementos ricos em vitamina C minimizam os efeitos de células cancerígenas.

Para a análise mais detalhada e cuidados específicos com o seu melhor amigo, sempre é melhor procurar um veterinário de confiança.



Fonte: Ribeirão Preto Online

Bigodinhos dos Filhotes de Shih Tzu

Quando compramos nosso bebe Shih Tzu, queremos cuidar dele da melhor forma possível, dando todo amor e carinho que guardamos para ele. Também queremos que os nossos filhotes tenham a aparência dos shih tzu de exposições, cabelos longos, pelo lisinho, bigode comprido e branquinho, o sonho era que eles ficasse com o leque que é feito na cabeça durante uma semana inteira né? Mas infelizmente não é assim, é como o cabelo de uma pessoas temos que escovar todos os dias e refazer as chucas diariamente (ou quase q diáriamente).


Gostaria de falar hoje específicamente sobre o bigode, principalmente o bigode do filhotes. Não, não é um processo miraculoso sobre cuidados dos bigode que quero falar e sim um dica, que se seguida agora vai ajudar ele a ter um bigode bonito quando jovem ou adulto.


O nosso novo bebê chega as nossas mãos por volta dos 60 dias, aqui no nosso canil é assim, se recebemos ele por avião, por volta dos 100 dias. Ele chega com aquela carinha fofa de bem com os pelinhos pequenos, uma fofurinha neh. Depois com o passar das semana, terminando as vacinações, perto dos 3 ou 4 meses, o bigodinho dele ainda não desceu, ele parece uma flor tendo o nariz como miolo, quase não consegue enxergar nada, mas ele enxerga bem sim. Alguns pelinhos dele começam a tocar os olhos, e pode ficar meio avermelhados por causa da acidez da lágrima. Então como ele já está grandinho e você quer ele bem cheirosinho, leva ele para o banho no pet.


No pet é aquela fez com o filhote, pois filhote é tudo de bom mesmo. Ai o banhista diz assim: “o pelinho do bigodinho ta irritando o os olhinhos dele, vou cortar os pelinhos de cima do focinho para você!”. Ai você diz para ele: “É mesmo, se é melhor para ele pode fazer.” Certo? Não, errado!!!


Se você fizer isso agora, é provável que nunca mais deixe de cortar os pelinhos do nariz, não duvido da boa intenção do tosador, mas é que na prática é só esperar uns 2 meses a mais, talvez 3 que o pelo desce e para de tocar o olhos. Mas este corte vai causar um impacto na aparência do Shih Tzu bem grande, perde um pouco da beleza do focinho. Agradeça ao tosador, mas diga para ele que quer deixar os pelinhos descerem para ficar com um bigode bem bonito. E que vc tem cuidado dos olhinhos do seu bebê (no blog tem um artigo que explica isso).

Aqui veja a foto de dois shih tzu um com o bigode cortado e outro sem bigode cortado. e veja as diferenças.


O cão da esquerda peguei da internet como exemplo, pertende ao blog: esteticapetshop.blogspot.com/ e a da direita eh a nossa Vanillinha.


O corte fica mais aparente se você deixar um tempo sem aparar, pois vai ficar parte do bigode lisa e caindo e outras arrepiada e pra cima. Então se você cortar, vai ficar refém do corte para sempre, rsrsrs.


AVISO!!! Muitos pets já cortam estes pelinhos sem perguntar para os Donos, então na dúvida já avise ao pessoal da pet que você quer o bigode inteiro!!! Principalmente se você notar que alguns dos clientes deles tem este corte.


Claro que existe casos que pode ser realmente necessário cortar, mas normalmente os problemas de pelos irritando os olhos é causando pelos cílios e não pelo bigode, mas se realmente for o bigode, faça o que é melhor para os cãozinho, nós faríamos assim aqui, o bem estar do cão em primeiro lugar, mas confesso que nunca precisamos cortar o pelo de nenhum de nossos cães.

Então é isso, espero que tenham gostado e que possa ajudar a todos com este artigo.

Bjs

Mon Amour Megan