♥ Por que os cães roem as coisas? ♥

O problema de roer tudo o que aparecer na frente é muito comum com filhotes, embora também aconteça com cães adultos.

Causas
Ansiedade, que pode acontecer por falta de passeio ou de companhia; Problemas fisiológicos e psicológicos, como verminoses, falta de nutrientes e desequilíbrio químico-cerebral; Coceira causada na gengiva dos filhotes pela troca de dentes. Roendo, a coceira é aliviada na hora, sendo uma grande recompensa para o filhote. Além disso, eles podem experimentar novos gostos e sensações ao roer diferentes objetos. Como a troca dos dentes acontece nos primeiros meses do cão, nesse período o problema tende a ser pior. O fato dos filhotes roerem coisas é normal e bom, mas o problema é quando eles roem o que não devem, e quando isso se torna um vício.
O que fazer?

Antes de iniciar qualquer adestramento, tenha certeza de que seu cãozinho está saudável, levando-o ao seu veterinário. Para solucionar o problema da ansiedade, procure passear mais com o cão, e tente não deixá-lo muito tempo sozinho.
No caso mais comum, que é o de roer as coisas para aliviar a coceira da gengiva, o ideal é punir o filhotinho quando ele roer o que não deve, e recompensá-lo quando ele roer seus brinquedos. Pelo fato da recompensa que ele recebe ao roer algo ser tão imediata e agradável, roer as coisas passa a valer a pena para o cachorro, podendo se tornar um vício. Assim, não deixe que ele roa sua mesa, seu sapato, sua cama, e forneça a ele seus brinquedinhos, que podem ser bolinhas, ossinhos de couro cru ou de nylon e muitas outras opções. Esses brinquedos, além de resolver o problema, ajudam a higienizar a boca de seu cãozinho.
Procure sempre estar fornecendo novos brinquedos ao cão, para que ele esteja sempre interessado. Outra dica é colocar os brinquedos no congelador antes de dá-los ao cão, pois com eles estando gelados, a gengiva será anestesiada, dando um maior alívio. Para mostrar ao cão que o brinquedo é dele, estimule-o a pegá-lo, e fique balançando-o na frente dele. Não dê brinquedos parecidos com seus objetos, como um chinelo velho, pois assim, o cão poderá pensar que todo chinelo é brinquedo. Quando o cão roer seu brinquedo, já estará sendo recompensado pelo alívio na gengiva, mas nunca é demais falar um "muito bem!". Servir água gelada para o cão, ao invés de água na temperatura ambiente, ajuda a aliviar a coceira, mas não resolve o problema, pois a "anestesia" dura pouco tempo.
A punição


Primeiramente, deixe claro para seu cão que roer coisas é bom, mas essas coisas devem ser as dele, e não as outras. Além de dar brinquedos ao cão, é preciso puni-lo quando ele rói o que não é dele. Falar um Não! com firmeza e bater um jornal ou garrafa de plástico no chão, só para fazer barulho, é uma boa opção. Outra idéia é dar uma molhada com um spray de água no cão, quando ele começar a bagunça. Você pode usar também algo que faça barulho; o importante é causar uma sensação desagradável ao bichinho. Sempre que você estiver com a punição preparada, induza (não é para mandar, é para induzir) o cão a roer algo que não pode, e assim que ele roer, aplique a punição. Se ele se recusar a roer, elogie-o! Com essas punições, o cão deixará de roer o que não deve quando você estiver por perto. Mas e quando você não estiver presente? Nesse caso, a punição não deve estar relacionada à sua presença, ou seja, deve ser despersonalizada. Uma boa opção é jogar algo que faça barulho do lado do cão quando ele estiver roendo uma coisa proibida, para assustá-lo. Você pode jogar um molho de chaves, uma caixa cheia de moedas, ou qualquer outra coisa que possa assustá-lo sem machucá-lo.
Quando o cão rói algo, é imediatamente recompensado com o alívio da coceira na sua gengiva. Por isso, é importante supervisionar cautelosamente os filhotes. Se você não tiver muito tempo para isso, deixe o animal em um lugar onde não possa roer as coisas enquanto você não estará por perto. Vá alternando punição e a recompensa até que ele aprenda a respeitar os objetos da casa, passando a roer apenas os objetos que são dele. Esses brinquedinhos também ajudam a prevenir o acúmulo de tártaro e a tranquilizar seu mascote!

FONTE : Dogs Page - http://www.dogspage.com.br/

A Inteligência Canina


Cachorros são realmente animais muito inteligentes, capazes de aprender por associação e com grande memória, podendo lembrar de diversos truques e situações por muito tempo. A inteligência dos cães permitiu que fossem e ainda sejam treinados para as mais diversas funções, desde de regras de higiene básicas, pequenos truques, até as grandes demonstrações de compreensão e inteligência que podemos ver em cães-guia e cães de pastoreio entre outros.
Algumas pessoas pensam que, por serem tão espertos, os cachorros vão entender tudo sozinhos, que eles ” já nascem treinados”. Obviamente isto nao acontece e em muitos casos é um fator de decepção do dono despreparado com o cão. Todos os cães, independentemente da raça precisam ser ensinados pelo dono para aprenderem as regras da casa ou usarão sua inteligência para “descobrir como destampar a lata de lixo”, “aprender como fugir de cercados” ou “como abrir portas” entre outras demonstrações de inteligência que normalmente incomodam os donos. Desde cedo é preciso mostrar ao filhote o que ele pode e não pode fazer, e nunca abrir excessões. Cães não entendem a linguagem humana, se você disser: “só dessa vez” por mais esperto que seja ele não vai entender que não deve subir no sofá de novo, mas quase com certeza será esperto o suficiente para perceber que se insistir pode conseguir novamente.Alguns cães são tão espertos que “adestram” seus donos ao invés de serem adestrados por eles. Quando um cachorro chora pedindo comida e nós atendemos ao pedido estamos fazendo a vontade do cachorro, ou seja, o cão ensinou o dono a dar o petisco sempre que ele pedir, alguns cães “ensinam” seus donos a fazerem carinho quando latem e não é incomum ouvir donos reclamarem que só conseguem fazer o cachorro parar de latir fazendo carinho. Todos estes comportamentos começam aos poucos e podem ser evitados com uma educação adequada. Se o futuro dono de um cachorro tiver em mente que deve adestrar seu cachorro e não “ser adestrado por ele” a convivência entre os dois será bem melhor.
A inteligência individual do cachorro entretanto depende de vários fatores, como o ambiente onde vive e a quantidade de estímulos que recebe, mas também depende da raça. Um dos maiores estudiosos do assunto é o Dr. Stanley Coren que publicou um livro sobre o tema em 1994. Seu livro ” A inteligência canina” contém um ranking de inteligência que enumera diversas raças de cães de 1 a 79 de acordo com sua inteligência. Contudo, nem mesmo o Dr. Stanley Coren com sua extensa pesquisa envolvendo criadores e adestradores conseguiu agradar a todos. Muitos donos de cães de raças consideradas menos inteligentes pelo livro argumentaram que seu cachorro era muito mais inteligente que o cão do vizinho, de uma raça teoricamente mais esperta.
A verdade é que o ranking de inteligência canina do Dr. Coren deve ser entendido mais como um ranking de adestrabilidade que como um ranking de inteligência proriamente dito. As raças que ocupam as primeiras colocações são aquelas que respondem bem a treinamentos e memorizam comandos mais rapidamente, ou seja, possuem um tipo de inteligência mais adaptado à convivência com humanos, um desejo de agradar seus donos mais evidente e um poder de concentração maior. Outras raças, presentes nas últimas colocações do ranking não respondem bem a treinamentos e não gostam de treinos de repetição, não por serem mais “burras” mas, aparentemente por terem menos paciência e se distraem facilmente com o ambiente. Em geral cães de raças originalmente de caça costumam se distrair facilmente pois o menor movimento no ambiente pode chamar sua atenção como uma possível presa.
Apesar de tudo, o ranking continua sendo a melhor referência para futuros donos se informarem. Donos que desejem que seus cães sejam obedientes e bem treinados não deverão escolher uma raça como o borzoi ou o Buldog inglês, ou, caso escolham, devem estar conscientes que terão bastante trabalho.

Segue a lista do ranking de inteligência:
Primeiro lugar: 1ºBorder Collie

01. Border Collie
02. Poodle
03. Pastor Alemão
04. Golden Retriever
05. Dobermann
06. Pastor de Shetland
07. Retriever do Labrador
08. Papillon
09. Rottweiler
10. Australian Cattle Dog
11. Premboke Welsh Corgi
12. Schnauzer miniatura
13. Springer Spaniel Inglês
14. Pastor Belga (Tervuren)
15. Schipperke / Pastor Belga
16. Collie Keeshond
17. Pointer Alemão de pelo curto
18. Retriever de pelo liso / Cocker Spaniel Inglês / Schnauzer mediano
19. Spaniel Bretão
20. Cocker Spaniel Americano
21. Weimaraner
22. Pastor Belga (Malinois) / montanhês de Berna
23. Pomerânia (Lulu)
24. Spaniel de Água Irlandês
25. Vizsla
26. Welsh Cardigan Corgi
27. Chesapeake Bay retriever / Puli / Yorkshire Terrier
28. Schnauzer Gigante / Cão de Água Português
29. Airedale / Bouvier de Flanders
30. Border Terrier / Briard
31. Welsh Springer Spaniel
32. Manchester Terier
33. Samoieda
34. Spaniel de campo / Terra Nova / Terrier Australiano / American staffordshire Terrier / Setter Gordon / Berdead Collie
35. Cairn Terrier / Kerry Blue Terrier / Setter Irlandês
36. Elkhound Norueguês
37. Affenpincher / Silky Terrier / Pinscher miniatura / Setter Inglês / Cão do Faraó / Spaniel de Clumber
38. Terrier de Norwich
39. Dálmata
40. Fox Terrier de pelo suave / Terrier de Bedlington
41. Curly-coated Retriever / Irish Wolfhound
42. Kuvasz
43. Saluki / Spitz Finlandês / Pointer
44. Cavalier King Charles Spaniel / Pointer Alemão de pelo duro / Black-and-tan Coonhound / Spaniel Americano de Água
45. Husky Siberiano / Bichón Frisé / English Toy Spaniel
46. Tibetan Spaniel / Foxhound Inglês / Foxhound Americano / Otterhound / Greyhound / Galdo Grifón de pelo duro
47. West Highland white terrier / Deerhound Escocês
48. Boxer / Dogue Alemão
49. Dachshund ou Teckel / Staffordshire Bull Terrier
50. Malamute
51. Whippet / Shar-Pei / Fox Terrier de pelo duro
52. Rhodesian Ridgeback
53. Caçador de Ibiza / Welsh Terrier / Irish Terrier
54. Boston Terrier /Akita
55. Skye Terrier
56. Norfolk Terrier / Sealhyam Terrier
57. Pug
58. Bulldog Francês
59. Grifón de Bruxelas / Maltês
60. Galgo Italiano
61. sem pelo Chinês
62. Dandie Dinmont terrier /Vendeen / Terrier Tibetano Chin Japonês / Lakeland Terrier
63. Old English Sheepdog (Bobtail)
64. Grande Pirineos
65. Scottish Terrier / São Bernardo
66. Bullterrier
67. Chihuahua
68. Lhasa Apso
69. Bullmastiff
70. Shih Tzu
71. Basset Hound
72. Mastiff / Beagle
73. Pequinês
74. Bloodhound
75. Borzoi
76. Chow Chow
77. Bulldog Inglês
78. Basenji
79. Afgan Hound

De 1 a 10: As 10 raças com a inteligência funcional e de obediência mais alta. Menos de cinco exercícios para entender ordens novas. Capacidade de recordar sem necessidade de praticar os exercícios repetidamente. Respondem a primeira ordem em 95 % das vezes no mínimo. Tem uma rápida resposta quando a uma certa distância. Aprendem corretamente sendo adestrados por treinadores relativamente inexperientes.

De 11 a 26: Cães de trabalho excelentes. É necessário de 5 a 15 repetições de cada exercício,
para a aprendizagem de cada ordem. Lembram com facilidade, porém melhoram com a prática. Respondem a primeira ordem em 85 % das vezes. Para ordens mais complexas, necessitam de mais tempo. Possivelmente a uma certa distância do dono, demoram um pouco para responder. praticamente todos os treinadores podem obter bons resultados com eles.

De 27 a 39: Cães de trabalho com um nível superior à média. Necessitam entre 15 a 30 repetições para aprender um exercício. Práticas adicionais de cada exercício nas primeiras fases do aprendizado o faz melhorar. Uma vez aprendida uma ordem, normalmente a guarda. Respondem a primeira ordem, em 70 % ou mais das vezes. O comportamento é parecido dos cães do grupo anterior, porém com uma certa insegurança e demora na resposta. Se o dono estiver muito distante, o cão não reagirá a sua ordem. Um treinamento inconseqüente, de qualidade baixa ou com demasiada severidade e impaciência não trará bons resultados.

De 40 a 54: Corresponde a pontuação média da inteligência funcional e de obediência. Necessitam de 25 a 40 repetições para compreender bem um exercício. As práticas adicionais ajudam na fase inicial da aprendizagem. Se não repetirem os exercícios com freqüência, eles se lembrarão das ordens com dificuldade. Respondem a primeira chamada, em 50 % das vezes e a eficácia depende muito do tempo, da prática e da repetição dos exercícios. A rapidez de resposta é mais lenta. A uma distância maior, a resposta do cão será mais ou menos consistente. Necessitam de um adestrador experto e com muita paciência.

De 55 a 69: Nível mínimo de inteligência funcional. Necessitam de 40 a 80 repetições para obter um rendimento aceitável (às vezes, até com 25 repetições, eles não mostram sinais da compreensão). Necessitam muitas repetições para manter um nível aceitável. Respondem à primeira ordem, em 30 % das vezes. Trabalham melhor se o dono estiver perto deles. Estes cães parecem distraídos a maior parte do tempo e só respondem se desejam. Se a distância entre o cão e o dono for grande não haverá nenhuma resposta. Não são raças aconselháveis para pessoas inexperientes com cães. Um adestrador com muita experiência, tempo, firmeza e afeição podem obter um rendimento bom com eles.

De 70 a 79: São as raças com inteligência funcional e obediência mais baixa. Na aprendizagem inicial necessitam de 30 ou 40 repetições para mostrar sintomas da compreensão da ordem. É freqüente que sejam necessárias 100 repetições de um exercício, para darem um resultado confiável. Sua resposta é lenta e desigual. Finalizado a aprendizagem, é necessário que se faça repetições freqüentes, se não os resultados serão perdidos, como se não tivessem aprendido nunca nenhum exercício. Alguns descrevem estas raças como " impossíveis de adestrar". A reação à primeira ordem é de menos de 25 % das vezes. Às vezes dão as costas a seus donos, ignorando sua ordem e desafiando sua autoridade. A resposta as ordens são inseguras e lentas, às vezes ao infortúnio. Podem frustrar um adestrador mediamente experiente, e fazer duvidar de suas aptidões.

Fonte: ferrari adestramento


******************************

♥ Audição ♥ Visão ♥ Faro ♥


A audição dos cães é bem superior à humana. Um cão consegue escutar um som 4 vezes mais longe que uma pessoa. Além disso, ele pode detectar a origem do som em apenas 6 centésimos de segundo, ou seja, 0,06 segundo.
Os cães também detectam sons de frequências menores e maiores do que as que a gente detecta. Assim, o intervalo da frequência do som que eles captam é bem maior que a do homem. Com isso, é possível usar apitos ultrasônicos para comunicar-se com o cão, sem que a pessoa escute. A frequência detectada pelo homem vai de 16 Hertz a 20.000; já a do cão, vai de 10 Hertz a 40.000.


As pessoas dizem que a visão do cão é inferior à nossa. Isso é verdade em vários pontos, mas em outros, a visão dos cães é superior.
Os cães enxergam com menos resolução e em menos cores do que os humanos. Segundo algumas pesquisas, eles enxergam em cinza, azul e amarelo, e não conseguem diferenciar vermelho, verde, amarelo e laranja. Por isso, se você for brincar de bolinha com seu cão em uma grama, dê preferência para as bolinhas azuis, pois para o cão será mais fácil de ver.
Por outro lado, a visão dos cães é mais sensível à luz e ao movimento que a dos homens. Assim, os cães enxergam melhor no escuro, e detectam movimentos, principalmente no escuro, mais facilmente do que nós.


O faro é o sentido mais desenvolvido dos cães, disparado. Um cão consegue sentir cheiros que nós nem ao menos conseguimos identificar. Eles podem também identificar e seguir rastros de cheiro de pessoas que já passaram há vários dias.
Os cães têm 200 milhões de células receptoras de odores, contra apenas 5 milhões dos humanos. Daí, conclui-se que eles sentem cheiros 40 vezes melhor do que nós.
Devido a essa tremenda capacidade, os cães são muito usados em tarefas que abordam odores, como para farejar drogas, achar pessoas mortas no meio do mato, rastrejar criminosos.

FONTE : Dogs Page - http://www.dogspage.com.br/

♥ O Sono Canino ♥


Assim como as pessoas, os cães também precisam dormir. No período de sono, o cão pode descansar, e seu sistema imunológico funciona melhor.
Com o sono regular, seu sistema nervoso e seu metabolismo funcionam bem, e seu corpo fica descansado.

As fases do sono dos cães tem 2 fases do sono: superficial ou ondas cerebrais lentas; e movimento rapido dos olhos (REM). No estágio superficial, o cão fica quieto e alerta, tem uma respiração profunda e ritimada, sua pressão sanguínea, seu metabolismo e sua atividade cerebral diminuem. Nessa primeira fase, o cão pode acordar repentinamente devido a estímulos sensoriais. O estágio superficial dura de 10 a 20 minutos.
Na segunda fase, REM, as pálpebras do cão se movem, daí o nome "rápido movimento dos olhos". A respiração nessa etapa [é mais irregular, rápida e superficial - às vezes o cachorro parece não estar respirando. Também ocorrem movimentos nas patas, músculos da face e orelhas.
Duração do sono dos cães: dormem em média 9 horas por dia, mas podem prolongar esse tempo se ficam muito sozinhos, sem a companhia do dono.
Os cães sonham? De acordo com pesquisas de ondas cerebrais feitas em cães, a resposta é afirmativa. Foi constatado que algumas atividades cerebrais caninas durante o sono são semelhantes as de quando uma pessoa está sonhando. Assim, e quase certo que nosso melhor amigo também sonha! Os filhotes e os cães velhos sonham mais que os cães adultos.
O conteúdo dos seus sonhos ainda é um mistério. Uma idéia sobre isso é a maneira de se relacionar com o mundo: o homem usa mais a visão e a língua falada; ja o cão usa mais a audicão e o olfato. Assim, o sonho deles deve ser diferente do nosso...
Distúrbios do sono: Os cães podem ter alguns distúrbios de sono, como a apneia, que é uma parada respiratória devido a obstrução das vias respiratórias, que acontece mais no Boxer e Buldogue, devido aos seus focinhos achatados. Outra doença é a narcolepsia, na qual o cão repentinamente entra em sono profundo. Esse mal é mais comum no Dobermann, Labrador, Poodle, Beagle e Dachshund. Esses distúrbios são controlados por medicamentos.

FONTE : Dogs Page - http://www.dogspage.com.br/

♥ Escovação Dos Dentes ♥


Os dentes dos gatos e dos cachorros têm muito mais semelhanças com a dentição humana do que se imagina. Assim como seus donos, os bichos de estimação desenvolvem placa bacteriana, que, se não removida, pode virar tártaro, provocar inflamação nas gengivas e até levar à perda dos dentes. Já as cáries são mais difíceis de aparecer.

As bactérias que vivem na boca dos animais e provocam esses males também são responsáveis pelo bafo de onça de alguns cães e gatos. A saída para evitar o incômodo e livrar o bicho do sofrimento de uma dor de dente está na prevenção, como oferecer uma ração de consistência mais dura.

“Esse tipo de alimento entra em atrito com os dentes, promovendo a limpeza”, esclarece a veterinária Ivana Carvalho, da Pet Society. Animais que têm o hábito de roer ossinhos de couro também têm a boca mais limpinha.

“Para prevenir, o ideal é que o dono também escove os dentes do animal todos os dias ou, pelo menos, três vezes por semana com movimentos suaves. Gatos são mais difíceis de lidar que cachorros, mas, se eles forem acostumados desde filhotes, fica muito mais fácil”, orienta a veterinária Ana Regina Torro, da Faculdade de Ciências de São Paulo (Facis).

Sabor Carne

Mas, alto lá! Antes de pegar a primeira escova e creme dental que aparecer pela frente, é preciso ter cuidado com o que vai usar. “Como gato e cachorro não cospem, eles devem usar um produto apropriado, que não contém flúor”, alerta Ivana. Os cremes dentais para pets são tão especiais que vêm com sabores para agradar a bicharada, como carne, salsicha,chocolate...

De acordo com Ivana, se o dono usar a pasta comum, aquela com flúor, o produto pode causar irritação gástrica e provocar náusea e vômitos no animal. Também há escovas especiais, com cerdas mais duras, e até mesmo dedeiras, que facilitam o trabalho do dono.

Escovar os dentes não é a atividade mais divertida para fazer com o bicho de estimação. Mas o esforço compensa a longo prazo, pois, quando ao tártaro está instalado, é necessária a intervenção do veterinário porque a simples escovação não remove o tártaro.

Nessa fase, só um procedimento drástico resolve o problema, pois o bichano vai precisar de anestesia geral. “O dono leva o animal pela manhã e vai buscá-lo no fim do dia. A raspagem dos dentes dura em média duas horas e, se for necessário, ainda arrancamos algum dente ruim”, descreve a veterinária Ana Regina Torro.

Optar pela ajuda do veterinário pode ser mais fácil, mas sai salgada. O preço médio para deixar os dentes do pet reluzentes é de R$ 200, variando de acordo com o porte do animal e a quantidade de tártaro.
Fonte: Petmail

♥ Ficar Sozinho Em Casa ♥


Umas das queixas mais comuns dos donos de cachorros (ou pelo menos dos vizinhos dos donos de cachorros) é sobre a gritaria que eles costumam fazer quando são deixados sozinhos. Muitas vezes o cachorro nem chora ou late muito, mas destrói a casa toda, faz xixi e cocô em lugares que normalmente ele não faria, baba ou lambe as patas sem parar (muitos chegando a ficar com as patas feridas). Alguns donos acham que este comportamento é um simples protesto quanto a solidão forçada, e que o cachorro faz tanta bagunça para punir o dono. Não é raro ouvir coisas como "Ele faz de propósito. É só eu sair que ele destrói a casa toda". Ou ainda "Ele sabe que está errado, ele faz xixi na minha cama e na sala só para me deixar maluca".Não é bem assim. Estes cães não estão fazendo tanta confusão só pelo prazer de tornar a nossa vida mais difícil e a gente ainda mais culpado. Os cães não possuem este tipo de pensamento e sentimento. 
Eles não são vingativos, até porque não sabem se serão deixados por pouco ou por muito tempo a sós.

Na verdade animais que se comportam de maneira destrutiva, ou choram muito na ausência do dono SOFREM MUITO. 

Eles acham que foram abandonados para sempre (tá bem, tá bem, você sempre volta, mas e se não voltar DESTA vez!). O fato de ter que ficar só faz com que eles se sintam perdidos, amedrontados, e desesperados. Com tanto desconforto interior não é a toa que eles percam o controle de seu comportamento e comecem a fazer coisas fora do comum.Nem sempre o comportamento inadequado do cão está relacionado com a ansiedade da separação do seu dono, e nem todo cachorro desenvolve este tipo de problema, mas o fato é que muitos donos (e cães) acabam sofrendo, e muitas vezes tornando as coisas ainda piores porque não conseguem ver as coisas sob a perspectiva da mente do cão.Roer, lamber, cavar, e até urinar pela casa toda é uma forma de tentar aliviar a tensão e o estresse que ele sente.
O cão simplesmente não suporta uma situação que deveria ser rotina na vida dele. Aliás, fazer com que ele perceba que existe uma rotina em sua vida é um dos passos que ajudarão o seu cachorrinho a conviver melhor com os momentos em que ele terá que ficar só.
Embora pareça lógico que ninguém gosta de ficar sozinho por várias horas, especialmente pequenos filhotes, muitos donos não conseguem suportar o comportamento inadequado de seus cães e acabam desistindo do animal, ou se chateando muito com os vizinhos. 
Felizmente estes aborrecimentos podem ser evitados se tomarmos alguns cuidados.
A primeira coisa a se fazer, para quem ainda está pensando em ter um filhote, é tomar cuidado extra na adaptação do bichinho quando ele chega em casa. Muita briga, barulho, e palmadas para o filhote dormir sozinho logo na primeira noite pode tornar o evento "ficar sozinho na cozinha" uma coisa muito traumática e a partir daí o pequeno nunca mais vai se sentir seguro. Um outro fator que parece contribuir bastante para a insegurança do filhote é quando ele é separado muito cedo da mãe e dos irmãos.Se você está pensando em comprar um filhote e precisa trabalhar o dia todo, deixando o filhote sozinho a maior parte do dia, pense logo em adquirir uma raça que seja mais independente por natureza. 
Não que será fácil para este pequeno se virar sozinho, provavelmente ele também irá chorar nos primeiros dias, mas as chances são de que ele irá se adaptar mais facilmente a solidão. Programe-se
para tirar férias na mesma época em que for receber o filhote. Desta maneira você terá mais tempo para treiná-lo aos pouquinhos a ficar só, e o choque não será tão grande.
Procure fazer estes exercícios/treinamentos sugeridos abaixo nos horários quevocê normalmente deixa a casa. Desta forma o filhote já vai começando a se acostumar com
o que virá a ser a rotina da vida dele.

ESTIMULE A INDEPENDÊNCIA DO SEU ANIMALZINHO
Mesmo que você já tenha o cachorro e ele seja adulto, estimule-o cada vez mais a brincar sozinho e a ficar em outros cômodos da casa (onde você não está), sem ter que ficar com as portas fechadas. Durante o dia procure colocar a caminha dele num local a onde você passa menos tempo.
Coloque neste cômodo os brinquedos prediletos do seu cãozinho e também deixe que "apareçam" por lá alguma guloseimas caninas, sem que ele espere.

ARRANJE UM CANTINHO TODO ESPECIAL SÓ PARA ELE
Procure um lugar calmo, na sombra, que seja arejado. Coloque sempre uma caminha ou um paninho para o cão ficar mais aconchegado e um potinho de água também será bem-vindo. Os brinquedos tão queridos não podem faltar e escolha as coisas que ele mais gosta de roer (sem ser o seu sapato importado, é claro), para ficar neste oásis particular. Assegure-se de que não há coisas perigosas
como fios elétricos por perto. Nunca brigue com o seu cachorro quando ele estiver deitado no cantinho dele. Torne este lugar num refúgio dos problemas mundanos. Assim, quando ele estiver muito angustiado é provável que seu peludo se lembre das boas coisas que acontecem no
canto dele e vá para lá ao invés de ficar perambulando pela casa, dando vazão a sua sanha de exterminador do futuro.

NADA DE FICAR NO COLO O TEMPO TODO
Mesmo sendo absolutamente adorável, procure não ficar com o seu cachorrinho no colo enquanto você está em casa, muito menos ficar chamando-o o tempo todo. Procure brinquedos que ele se interesse em brincar sozinho, como a bola de buracos para introduzir biscoitos (Goodie Ball), o Buster Kube, a corda de nós, uma unha de vaca (é isso mesmo, cães adoram tanto roer o casco da vaca que já é possível encontrá-las limpinhas e tratadinhas para o divertimento do seu peludão), ou brinquedos de pelúcia especiais para cães.

VÁ ACOSTUMANDO AOS POUCOS
Se você pretende deixá-lo numa área restrita enquanto estiver fora, comece a acostumá-lo a ficar nesta área mesmo quando você está em casa. Acostume o seu cachorro aos poucos, começando com 5 minutos de cada vez e vá dobrando o tempo quando ele estiver confortável e não estiver chorando mais. Sempre ofereça muitas opções para o seu cachorro ficar entretido enquanto ele está sozinho. Vários brinquedos e coisinhas para roer, de texturas diferentes. Por outro lado nunca "treine" o seu cachorro a
chorar, abrindo a porta toda vez que ele estiver se esganiçando. Só abra a porta e libere o seu cãozinho se ele estiver bem quietinho, por pelo menos 2 minutos. Quanto mais gradual e consistente for esta fase do treinamento, mais rápido o seu cão vai aceitar ficar sozinho.


CRIE JOGOS E BRINCADEIRAS PARA QUANDO VOCÊ NÃO ESTIVER EM CASA
Um bom exemplo é ensinar ao seu cachorro a procurar o "tesouro" escondido. Você pode usar comida (pequenos pedaços de biscoitos caninos), ou brinquedos que ele goste muito. Mais uma vez, a bola Goodie Ball, o Buster Kube, ou a unha de vaca são ajudas valiosas. Coloque o peludo sentado numa área (cozinha ou lavabo, por exemplo) e mande ele esperar (o comando SENTA-FICA é muito útil nesta brincadeira ou, se o seu cachorro não for treinado, experimente fechar a porta, mas lembre-se, só abra a porta se ele estiver quieto). Esconda pequenos pedacinhos de biscoito de cachorro pela casa, ou o brinquedo predileto. Debaixo do tapete (só na pontinha do tapete, para que o peludo não revire tudo procurando a guloseima), debaixo de almofadas, nos cantinhos das paredes, etc.). Libere o com o comando PROCURA, e incentive-o a procurar os tesouros. Se ele parecer confuso e perdido nas primeiras tentativas você pode orientá-lo, levando-o até o esconderijo, mas sempre deixe a captura final para o cão.Em pouco tempo o bichão deverá pegar o espírito da coisa e você vai poder fazer o mesmo antes de sair de casa. O cão vai ficar tão feliz em procurar biscoitos e brinquedos que ele praticamente vai pedir para você sair de casa mais vezes. Vale lembrar que quanto mais valorizado for o petisco a ser escondido, mais interessado o cachorro vai ficar. Por isso evite dar biscoitos, ou o brinquedo predileto de seu cão, em momentos pouco especiais.

Um outro erro comum dos donos que possuem cachorros que choram muito é justamente tornar a sua saída triste e a chegada um evento digno de comemoração. Faz bem pro ego da gente deste jeito? Claro que faz, mas se você está correndo o risco de ficar sem o cachorro por causa da reclamação dos vizinhos, pense outra vez.Procure fazer da sua partida o grande acontecimento. Esconda os biscoitos, dê o brinquedo predileto, encha a bolinha de borracha de gostosuras, e se o seu cachorrinho
estiver dormindo para dar um beijinho de despedida. Evite qualquer tipo de contato com o seu cachorro, principalmente se ele estiver demonstrando sinais de extrema ansiedade, pelo menos 20 minutos antes de você sair. Se ele for treinado para comandos de obediência, procure fazer um pequeno exercício, pedindo para que ele sente e deite, sente novamente e deite novamente, umas 5 vezes. Saia sem fazer grande alarde e sem grandes despedidas. Ao retornar para casa procure ignorar seu cachorro até que você tenha tirado toda a roupa e se trocado. Uns cinco minutos de espera para ganhar o seu carinho vai ajudar muito para que se cachorro aprenda a controlar a ansiedade do seu retorno.


Procure fazer muito exercício com o seu peludo antes de sair (converse com o seu veterinário para saber o melhor programa de condicionamento físico para o seu cão, afinal, dependendo da idade e das condições de saúde do bichão, "muito exercício" pode variar bastante de cão para cão). Reserve uma hora antes de sair e caminhe intensamente, jogue bolinha, faça exercícios de obediência ou qualquer outra atividade física com o seu cachorro, interrompendo 20 minutos antes de você sair. A intenção é deixar o cachorro bem cansado e livre do estresse de confinamento, reservando os 20 minutos finais para ele relaxar antes de você ir embora. Quando você voltar, e depois que o cachorro estiver calmo, reserve uma parte do dia (ou da noite) para se dedicar ao seu peludo. Se isso for feito como rotina, logo ele irá aprender que também faz parte da vida familiar, e que as coisas irão acontecer ao seu tempo. Ele terá certeza de que não precisa ficar implorando pela sua atenção e carinhos, pois a horinha dele está reservada.

Alguns animais se sentem mais confortáveis quando se deixa uma luz acesa, ou um rádio ligado, ou uma peça de roupa do dono com ele (camiseta velha serve, mas não se esqueça de depois de lavar a camiseta "do cão" deixá-la alguns dias dentro do seu armário para pegar o "cheirinho" novamente). Outros parecem ficar ainda mais ansiosos com estes artifícios É preciso observar o comportamento do seu cachorro para ter certeza se estas são boas estratégias. Uma coisa que parece fazer muita diferença nestes casos é justamente a rotina quando o dono está em casa, ou seja, não adianta ligar o rádio só quando você vai sair, se você não costuma ouvir música em casa. Se for feito desta maneira o rádio é apenas mais uma dica de que você está indo embora e o bicho fica mais excitado.

Se nada parece ajudar, ou se o cachorro ficar realmente muito estressado, converse com o seu veterinário sobre a possibilidade de usar algum tipo de medicação. Felizmente hoje em dia já existe uma droga especial para o tratamento de ansiedade de separação em cães. Diferentemente das medicações disponíveis até hoje, esta é aprovada especificamente para o uso veterinário e não funciona apenas como um calmante ou um tranqüilizante (nestes casos o cachorro continua a sofrer com a separação, e o remédio apenas reduz a capacidade do cachorro responder ao estresse), ela realmente alivia a ansiedade do animal. De qualquer forma, NUNCA dê remédios ou tranqüilizantes (especialmente os formulados para o uso em humanos) sem falar com o seu veterinário. E ainda assim, use estes recursos como última opção.

Considere a companhia de um outro animal para o seu cachorrinho com cuidado. Procure saber primeiro se o seu cachorro realmente apreciaria a companhia de outro cão (ou mesmo um gato). Experimente levar o cachorrinho (ou gatinho) do seu amigo, ou de algum parente, para passar um dia com vocês e observe o comportamento do seu amigão. Passe algumas horas fora de casa e veja como ele se comporta. Nem sempre o cachorro que sofre com a separação do dono vai se sentir melhor com a presença de outro animal. Pelo contrário, muitos são tão ligados aos seus donos (e aos humanos em geral) que outro bicho na casa será visto única e exclusivamente como um competidor. O resultado pode ser desastroso. Felizmente esta não é a regra para todos. Tem cachorro que fica feliz da vida por ter um outro bicho na casa, só não vale é deixar o segundo bichinho também dependente da sua presença.


Finalmente, o mais importante é não punir nunca o seu cão pelo fato dele fazer bagunça quando você está fora. É no mínimo cruel a gente bater num cachorro que já sofreu tanto com a nossa ausência e no mínimo a gente vai estar reforçando o sentimento no animal de que é melhor apanhar do que não ter atenção nenhuma, ou seja, (na cabeça dele)... "Se eu fizer muita bagunça o meu dono acaba voltando. Tá certo que eu levo uns cascudos, mas pelo menos ele está aqui comigo." Seja compreensivo e procure ajudar o seu cachorro a superar uma dificuldade tão grande. Afinal, cães são animais sociais, não foram feitos para viver sozinhos a maior parte do dia, nem para agüentar todo o estresse que a vida urbana, e as longas horas de trabalho, nos obriga a viver.
Por outro lado, também é bom lembrar que todos nós adoraríamos ter um cachorrinho amigo, devotado, que está sempre perto da gente. Que adoraríamos mimá-lo, e que muitas vezes nós gostaríamos que eles fossem "nossas crianças". O problema é que eles NÃO SÃO crianças, e tantos mimos, tanto grude, tanta dependência, não irá trazer nenhum benefício para o nosso tão querido animalzinho. Mesmo para aqueles que hoje não costumam passar nem um minuto longe de seu cão, a longo prazo as chances de um dia a gente ter que se ausentar por um bom período de tempo vai aumentando e, quando este dia chegar, o mais prejudicado na história vai ser justamente aquele que nós amamos tanto. Equilíbrio é a palavra chave.


FONTE : The Dog Times - http://www.dogtimes.com.br/




Signo Canino

Quando foi divulgada nos Estados Unidos, no início dos anos 80 do século passado, uma nova teoria astrológica que incluía os animais no estudo dos astros, muito reboliço surgiu entre os interessados no assunto. A tese de que também os animais têm seu signo desperta a curiosidade de muita gente, e é defendida por Jeane Dixon, uma das mais respeitadas astrólogas norte americanas. E o cão, por sua intimidade com o ser humano, parece ser o animal que melhor evidencia tendências, características e forma de agir controladas pelos astros.
A seguir, as características e tipos astrais dos nossos cães :


ÁRIES – 21 de Março a 20 de Abril :O cão nascido sob este signo é destemido, imprudente, atirado, provocativo e capaz de atitudes inesperadas. Dominador, leva seu dono à loucura com suas exigências e manias. É afável, brincalhão, um pouco individualista, demanda muita atenção e carinho. Adapta-se fácil a ambientes novos e muda seu território o tempo todo. É muito ciumento e se considera o dono de sua “família”. O cão típico de Áries é o boxer, fiel, dedicado, muito afável com crianças e idosos.

TOURO – 21 de Abril a 20 de Maio: Ousado, agressivo e impaciente, é de grande fidelidade ao seu dono, o que o faz ser um excelente cão de guarda. É um pouco frágil quando filhote. Teimoso e inteligente, é muito apegado ao dono e convive bem com crianças e pessoas conhecidas. Dá pouco trabalho, pois é independente e obedece bem ao dono. O cão típico de Touro é o Pastor Alemão.

GÊMEOS – 21 de Maio a 20 de Junho: Curioso, um caçador nato, capaz de fugir e voltar às suas origens nas ruas, canis e estradas como se comandasse matilhas de caça, com uma versatilidade rara. Muito afável, é indeciso ao decidir. Temperamental, mas muito independente, tem profunda ligação com a natureza e revela forte tendência a liberar seus instintos. O cão de Gêmeos é mais bem representado pelo Husky Siberiano.

CÂNCER – 21 de Junho a 21 de Julho: Apegado à casa e à família, o cão de Câncer é persistente e teimoso, faz cara feia mas é bem amigável. Excelente vigia, repetitivo em seus hábitos, adaptável a qualquer ambiente, amante de coisas velhas e é fácil de se contentar. Excelente companheiro e amigo, mas é temperamental e demonstra facilmente quando está contrariado. Curioso, adora um monte de lixo e gosta de enterrar ossos ou comida. Típicos deste signo o Buldogue e o Vira lata.

LEÃO – 22 de julho a 22 de agosto: O cão do signo de Leão não se parece com o rei das selvas, embora abuse dos latidos e rosnados para ser visto como um guerreiro. Desajeitado ao manifestar carinho, é excelente cão de guarda. Gosta de brincar mas não tolera que invadam seu território. Tipo físico forte e musculoso, o cão de Leão é mais bem representado pelo Fila brasileiro e Dogue alemão.

VIRGEM – 23 de agosto a 22 de setembro:: Um cão sofisticado, exigente, bonito e pouco dado a manifestações de afeto. Tem profundo senso de apego, amor e fidelidade a quem elege como seu dono. Por ser meio contido, muitas vezes é considerado frio com os humanos. Tende a ter saúde frágil e exige cuidados com a pelagem. É uma figura imponente, agradável de ser vista e muito atraente quando bem cuidado. O Collie é o exemplo típico do cão de virgem.

LIBRA – 23 de Setembro a 22 de Outubro: Fiel, apegado e exerce bem a função de guarda, embora tenha pouca ou pequena agressividade, sendo mais barulhento que ameaçador. Tem características como refinamento, beleza, carência de trato e alta afetividade, com certa fragilidade física. Carinhosos e manhosos, apegam-se de forma definitiva aos seus donos. São exigentes, ciumentos e dependentes, e sua melhor representação são os Poodles.

ESCORPIÃO – 23 de Outubro a 21 de Novembro: Nascido sob influência dupla de Marte e Plutão, o cão escorpiano tem temperamento difícil e é agressivo, porém muito fiel ao dono. Elegante, tem postura bonita e muita coragem. Quando triste ou alegre, faz perceber facilmente seu estado emocional. Pela expressividade de seu signo e pelas suas funções de guarda e defesa, ataque e companhia, o Rottweiler é seu melhor representante.

SAGITÁRIO – 22 de Novembro a 21 de Dezembro: Adora a liberdade, é bom líder de matilha, inteligente, capaz de seguir sua caça por longo tempo, apegado à família e carinhoso. Com pouca agressividade, apesar do bom senso de iniciativa, é notável pela presença e porte, marcados pela elegância, boa pelagem e porte altivo. O cão Dálmata é o típico cão sagitariano.

CAPRICÓRNIO – 22 de Dezembro a 20 de Janeiro: São os animais de trabalho. Teimosos, persistentes, repetitivos, de pouca paciência, exigem muitos cuidados e atenção. Demosntram comportamento um pouco distante, de baixa afetividade, embora carinhosos e apegados ao dono. São excelentes cães para deficientes visuais e o São Bernardo é seu melhor representante.

AQUÁRIO – 21 de Janeiro a 19 de Fevereiro: Independente e cheio de vivacidade, com forte apego a corridas e longas caminhadas, é um cão que adora a natureza e o contato com a terra. Não são de muita demonstração de afeto, embora seja muito apegado a quem elege como seu dono. Exige muito carinho e companhia e é capaz de atitudes estranhas quando contrariado ou quando quer chamar atenção Os Basset e os Terrier são seus melhores representantes.

PEIXES – 20 de Fevereiro a 20 de Março:É o cão mais apegado de todos os animais. Carinhoso, sensível, dócil, tem senso de dever e disciplina. Precisa ser empurrado para fazer qualquer coisa nova. Inteligente, habilmente se esconde ao menor barulho ou diante de alguma ameaça. É misterioso na sua forma de agir e no relacionamento com seu dono. Os exemplares que mais bem representam este signo são os cães de raças vindas do Oriente, cães de companhia e pelagem longa, como o Lhasa Apso e Chihuahua.


♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

♥ Crescimento e Desenvolvimento ♥






Os cãezinhos vêm ao mundo num estado muito dependente de cuidados.

Este fato é reconhecido devido aos olhos e ouvidos fechados, e estes dois sinais visíveis refletem, na realidade, um sistema nervoso ainda não completamente desenvolvido.

O cãozinho nasce com pouco movimento espontâneo e deve ser estimulado pelas lambidas da cadela para começar a respirar. Lambendo a região do períneo, a mãe provoca no filhote a micção e a defecação. Por causa da sua incapacidade de manter o calor do corpo, precisa ficar perto da cadela e dos outros filhotes, sendo muito importante o reflexo de esquadrinhamento (leva o cãozinho a se orientar na direção de algum objeto quente próximo à sua cabeça), que começa a desaparecer aos quatro dias.


Entre os 6 e 10 dias de idade, os membros anteriores já podem sustentar o peso do animal.

A sustentação do membro pélvico é prevista entre 11 e 15 dias em cãezinhos normais, não excessivamente gordos.

Poucos dias depois de poder sustentar o próprio peso, o cãozinho começa a caminhar pelo local.

A micção e defecação reflexas, em atividade até o 28º dia, asseguram que a cadela estará presente para remover os dejetos do filhote, mantendo assim o local relativamente livre de odores que possam atrair predadores.

Por volta dos 18 dias de idade, os cãezinhos começarão a eliminar os dejetos num cantinho próximo e por volta dos 21 dias começarão a usar uma área de defecação grupal.A capacidade de regular a temperatura corpórea melhora gradativamente.

Primeiramente dormem em uma pilha casual. Depois de duas semanas, dormem de modo mais paralelo, por volta das cinco semanas em pequenos grupos, e sozinhos uma semana depois.As respostas visuais e auditivas continuam a se desenvolver após o nascimento.

Os olhos e os ouvidos se abrem entre 10 e 14 dias. A percepção visual ainda deve ser desenvolvida com o tempo e provavelmente não estará completa até vários meses de idade. Os reflexos protetores, como o piscar devido à claridade, e os reflexos palpebrais em geral, já existem antes da abertura dos olhos, provavelmente para garantir proteção tão logo seja necessário.

O reflexo de susto em resposta ao som aparece, em média, aos 19 dias de idade. Por volta dos 25 dias, tem-se uma orientação positiva para estímulos visuais e auditivos e o reconhecimento específico de estímulos familiares se dá logo em seguida.




DESENVOLVIMENTO DO COMPORTAMENTO: desenvolvimento do comportamento em cãezinhos frequentemente é dividido em quatro grandes períodos, sendo o terceiro altamente significativo.


1- Período neonatal: Dura as duas primeiras semanas de vida e consiste basicamente em turnos de amamentação intercalados com turnos de sono.


2- Período transicional:Restringe-se ao período entre 14 e 21 dias de idade, e a resposta à dor passa a ser mais reconhecida.


3- Período de socialização:É um período de máxima importância na vida de um cão. Isto é válido em relação à prevenção de problemas que possam tornar-se evidentes à medida que o cão vai ficando mais velho. Começa aos 21 dias e estende-se até aproximadamente 12 semanas. Nesta fase, eles começam a demonstrar seus comportamentos e personalidades. Esta é uma ocasião apropriada para iniciar a transição do aleitamento para alimentos caninos regulares, sendo recomendado oferecer alimentos secos umedecidos e/ou alimentos enlatados durante a transição. Com 3 a 5 semanas de idade, os filhotes estão interagindo alegremente. Neste período eles descobrem a pressão da mandíbula, e por volta das quatro semanas, já carregam coisas na boca, guardando seus pertences e brincando de cabo de guerra com pernas de calças, fios telefônicos, etc. Mostram também o início de atividades grupais coordenadas. Se um cãozinho vê alguma coisa e vai investigar, todos os outros o seguirão. Com seis semanas, têm início várias atitudes específicas do cão adulto, e as brincadeiras se expandem, incluindo o ato de montar e movimentos pélvicos semelhantes aos comumente associados ao comportamento sexual. Por volta das sete semanas, pode haver ataques coordenados aos filhotes mais fracos, e os cãezinhos que permanecem juntos tendem a lutar entre si.


O período de socialização ocorre quando um indivíduo aprende a reconhecer várias espécies de animais como algo a ser aceito, portanto, se for para o cãozinho se relacionar mais tarde com outros cães, gatos, cavalos ou pessoas, ele deve conhecer membros de qualquer uma destas espécies ou outras antes de 12 semanas de idade.

O pico deste período ocorre durante a quinta até a sétima semana de um cãozinho, onde ele se aproxima ativamente de outros seres. Esta é a época mais fácil para socializar um filhote, pois ele procura contatos sociais.

Mesmo experiências negativas, como o gato da casa arranhando o novo cãozinho parece não fazer diferença. Além disso, nesta fase, os cãezinhos são capazes de aprender lições específicas de modo consistente, constituindo uma boa oportunidade para atuar no treinamento doméstico. Como não há lições anteriores, o aprendizado se dá de modo bem mais fácil e as lições parecem ficar bem gravadas. Por outro lado, as experiências negativas também podem dessocializar o animal.


4- Período Juvenil:Aqui eles entram na fase mais ativa de exploração do ambiente. É necessário que o treinamento doméstico continue nesta fase a fim de evitar que as lições sejam esquecidas. Vale lembrar que uma experiência ruim também pode ser traumática.

É muito importante acompanhar o desenvolvimento de um cãozinho, estar atento à mudanças de comportamento e levá-lo ao veterinário periodicamente e/ou sempre que perceber que algo está errado.


Fonte: Kennel Club

Mon Amour Megan